Fotógrafo registra raras imagens das sombrias “fazendas de cliques“ do Vietnã

HomeÚltimas Notícias

Fotógrafo registra raras imagens das sombrias “fazendas de cliques“ do Vietnã

Jack Latham tinha a missão de fotografar fazendas no Vietnã – não as extensas plantações ou terraços de arroz do país, mas suas “fazendas de cliques”, ou “click farms”.

No ano passado, o fotógrafo britânico passou um mês na capital, Hanoi, documentando algumas das empresas obscuras que ajudam os clientes a aumentar artificialmente o tráfego online e o engajamento nas redes sociais, na esperança de manipular algoritmos e percepções dos utilizadores.

As imagens resultantes, que aparecem no seu novo livro “Beggar’s Honey” (O Mel do Miserável, em tradução livre), fornecem uma visão rara das oficinas que contratam trabalhadores com baixos salários para cultivar “likes”, comentários e compartilhamentos para empresas e indivíduos em todo o mundo.

“Quando a maioria das pessoas está nas redes sociais, elas só querem atenção – estão implorando por isso”, disse Latham em entrevista por telefone, explicando o título de seu livro. “Com a mídia social, nossa atenção é um produto para anunciantes e profissionais de marketing.”

O projeto de Jack Latham o levou a cinco fazendas click no Vietnã / Jack Latham/Cortesia Here Press
As click farms documentadas por Latham operavam em propriedades residenciais e hotéis / Jack Latham/Cortesia Here Press

Na década de 2000, a popularidade crescente dos sites de redes sociais – incluindo o Facebook e o Twitter, agora denominado X – criou um novo mercado para perfis digitais bem organizados, com empresas e marcas competindo para maximizar a visibilidade e a influência.

Embora não esteja claro quando as click farms começaram a proliferar, os especialistas em tecnologia alertaram sobre “mestres de gangues virtuais” que as operavam a partir de países de baixa renda já em 2007.

Nas décadas seguintes, o número de click farms explodiu – especialmente na Ásia, onde podem ser encontrados na Índia, Bangladesh, Indonésia, Filipinas e outros lugares.

As regulamentações muitas vezes não conseguiram acompanhar o ritmo: embora alguns países, como a China, tenham tentado reprimir as operações – a Associação de Publicidade da China proibiu o uso de click farms para ganho comercial em 2020 –, elas continuam a florescer em todo o continente, especialmente em locais onde os baixos custos de mão de obra e eletricidade tornam acessível a alimentação de centenas de dispositivos simultaneamente.

“Parecem startups do Vale do Silício”

O projeto de Latham o levou a cinco fazendas de cliques no Vietnã. Os click farms que ele esperava fotografar em Hong Kong “ficaram com medo”, disse ele, e as restrições de viagens relacionadas com a pandemia frustraram os seus planos de documentar a prática na China continental.

Nos arredores de Hanoi, Latham visitou oficinas que operam em propriedades residenciais e hotéis.

Alguns tinham uma configuração tradicional com centenas de telefones operados manualmente, enquanto outros usavam um método mais novo e compacto chamado “box farm” – uma frase usada pelos click farms que Latham visitou – onde vários telefones, sem telas e baterias, são conectados entre si e conectados para uma interface de computador.

A atividade nas redes sociais gerada por click farms pode ser difícil de detectar porque o comportamento online parece semelhante ao de um usuário legítimo / Jack Latham/Cortesia Here Press

Latham disse que uma das click farms que visitou era uma empresa familiar, embora as outras parecessem mais empresas de tecnologia. A maioria dos trabalhadores tinha entre 20 e 30 anos, acrescentou.

“Todas pareciam startups do Vale do Silício”, disse ele. “Havia uma enorme quantidade de hardware… paredes inteiras de telefones.”

Algumas das fotos de Latham retratam – embora anonimamente – trabalhadores encarregados de coletar cliques. Em uma imagem, um homem é visto em meio a um mar de dispositivos, no que parece ser uma tarefa solitária e monótona.

“É necessária apenas uma pessoa para controlar grandes quantidades de telefones”, disse Latham. “Uma pessoa pode muito rapidamente fazer o trabalho de 10.000. É solitário e sobrecarregado.”

Nas fazendas que Lathan visitou, os indivíduos geralmente eram responsáveis ​​por plataformas específicas de mídia social. Por exemplo, um “agricultor” seria responsável por publicar e comentar em massa nas contas do Facebook, ou pela criação de plataformas no YouTube onde publicam e veem vídeos em loop.

O fotógrafo acrescentou que o TikTok é hoje a plataforma mais popular nas click farms que visitou.

“Todas pareciam startups do Vale do Silício”, disse Latham. “Havia uma enorme quantidade de hardware… paredes inteiras de telefones” / Jack Latham/Cortesia Here Press

Os criadores de cliques com quem Latham conversou anunciavam principalmente seus serviços on-line por menos de um centavo por clique, visualização ou interação. E apesar da natureza fraudulenta das suas tarefas, eles pareciam tratá-las como apenas mais um trabalho, disse o fotógrafo.

“Havia um entendimento de que eles estavam apenas prestando um serviço”, acrescentou. “Não havia algo errado. O que eles oferecem são atalhos.”

Percepção enganosa

Em suas 134 páginas, “Beggar’s Honey” inclui uma coleção de fotografias abstratas – algumas sedutoras, outras contemplativas – retratando vídeos que apareceram no feed do TikTok de Latham. Ele os incluiu no livro para representar o tipo de conteúdo que viu sendo impulsionado por click farms.

Mas muitas de suas fotos focam no hardware usado para manipular as mídias sociais – redes de fios, telefones e computadores.

“Muito do meu trabalho é sobre conspirações”, disse Latham. “Tentar ‘documentar as máquinas usadas para espalhar desinformação’ é o slogan do projeto. O panorama geral é muitas vezes aquilo que não vemos.”

“Box farms”, frase usada pelos click farms que Latham visitou, vê vários telefones conectados entre si e conectados a uma interface de computador / Jack Latham/Cortesia Here Press

As fazendas de cliques em todo o mundo também são usadas para amplificar mensagens políticas e espalhar desinformação durante as eleições.

Em 2016, o então primeiro-ministro do Camboja, Hun Sen, foi acusado de comprar amigos e curtidas no Facebook, o que, segundo a BBC, ele negou, enquanto se descobriu que operações obscuras na Macedônia do Norte espalharam postagens e artigos pró-Donald Trump durante a eleição presidencial dos EUA daquele ano.

Ao pesquisar, Latham disse que descobriu que algoritmos – um tópico de seu livro anterior, “Latent Bloom” – frequentemente recomendavam vídeos que, segundo ele, ficavam cada vez mais “extremos” a cada clique.

“Se você apenas digerir uma dieta assim, é uma questão de tempo você se tornar um diabético conspiratório”, disse ele. “A disseminação da desinformação é a pior coisa. Acontece no seu bolso, não nos jornais, e é assustador que seja adaptado ao seu tipo de neurose.”

Na esperança de aumentar a consciencialização sobre o fenômeno e os seus perigos, Latham planeja exibir a sua própria versão caseira de uma click farm – uma pequena caixa com vários telefones ligados a uma interface de computador – no Festival de Imagens de Vevey de 2024, na Suíça.

Ele comprou o aparelho no Vietnã pelo equivalente a cerca de US$ 1.000 (ou aproximadamente R$ 4.980) e ocasionalmente o experimentou em suas contas de mídia social.

No Instagram, as fotos de Latham geralmente atraem de algumas dezenas a algumas centenas de curtidas. Mas quando ele implantou seu click farm pessoal para anunciar seu último livro, a postagem gerou mais de 6.600 curtidas.

O fotógrafo quer que as pessoas percebam que há mais coisas do que veem nas redes sociais – e que as métricas não são uma medida de autenticidade.

“Quando as pessoas estão melhor equipadas com conhecimento sobre como as coisas funcionam, elas podem tomar decisões mais informadas”, disse ele.

Fonte: clique aqui.

Você bem informado!

COMMENTS