ações buscam recuperação em mais um dia com turbilhão de notícias

HomeEconomia

ações buscam recuperação em mais um dia com turbilhão de notícias

As ações da Petrobras (PETR3;PETR4) ensaiavam recuperação na sessão desta terça-feira (12), com ganhos de cerca de 2%, após fechar em queda nas últimas duas sessões. Apenas na sexta-feira caiu mais de 10%, em meio a reavaliações do risco da companhia após decisão sobre dividendos extraordinários. Às 11h50 (horário de Brasília) desta terça, PETR3 subia 2,07% (R$ 37,02) e PETR4 avançava 2,58% (R$ 36,57).

Na véspera, uma reunião entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro da Fazenda (Fernando Haddad), o ministro de Minas e Energia (Alexandre Silveira) e o presidente-executivo da Petrobras (Jean Paul Prates) não trouxe novidades relacionadas aos dividendos extras, mas resultou no convite para a Fazenda passar a integrar o conselho de administração da estatal. Nesta terça-feira, de acordo com fontes ouvidas pela Reuters, o ministro Fernando Haddad decidiu indicar Rafael Dubeux, que atualmente é seu secretário-executivo adjunto na pasta, para tal assento.

Analistas têm destacado a “montanha-russa” de acontecimentos para a estatal e os efeitos nas ações. O Itaú BBA aponta que, após os resultados do quarto trimestre de 2023 (4T23) da Petrobras na última quinta-feira e a reação das ações na sexta-feira após o anúncio da não distribuição de dividendos extraordinários, houve mais uma “montanha-russsa” no mercado com o fluxo de notícias sobre a Petrobras ontem.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

O dia começou com notícias sobre uma possível revisão do anúncio de dividendos da semana passada. Foi indicado que houve alguns mal-entendidos. A notícia inicial foi recebida com algum otimismo pelos investidores, dada a indicação de um potencial revisão da decisão relativa aos dividendos extraordinários. Posteriormente, o fluxo de notícias sobre potenciais novos investimentos e a entrevista do presidente Lula ao SBT com críticas aos dividendos da estatal alimentaram mais uma vez as preocupações dos investidores sobre o nível de interferência do governo na empresa. O fluxo de notícias continuou após o fechamento do mercado com a confirmação de que Jean Paul Prates permanecerá como CEO da empresa, risco que vinha causando certo mal-estar entre os investidores desde o fim de semana, ressalta o BBA.

O Bradesco BBI, que logo após o resultado rebaixou a recomendação das ações PETR4 de outperform (desempenho acima da média do mercado) para neutra, ressaltou que a mensagem sobre a alocação de capital para a Petrobras está longe de ser clara e vê isso como negativo. Além disso, o fato de o Ministério da Fazenda aparentemente não ter pressionado por dividendos (conforme indicou Haddad em suas falas para a imprensa) não é um bom presságio para pagamentos mais elevados.

“Ainda acreditamos que os investidores poderão obter alguns dividendos extraordinários ao longo deste ano, mas o nosso cenário base é de US$ 2 bilhões e não mais de US$ 4 bilhões a US$ 5 bilhões. Com isso, o rendimento de dividendos da Petrobras ficará em linha com o de seus pares globais”, apontam os analistas do banco. Abaixo o BBI cita os principais acontecimentos e qual o efeito para a tese de investimentos na Petrobras:

Continua depois da publicidade

1.Entrevista do presidente Lula no SBT (negativa para dividendos). Segundo o Bradesco BBI, o presidente deixou clara a sua oposição à distribuição de dividendos e quer que a Petrobras invista mais, ao mesmo tempo em que luta pela redução dos preços da gasolina, do diesel e do GLP. “A entrevista foi gravada antes da reunião do conselho da Petrobras para decisão sobre dividendos e foi exibida ontem, o que mostra que ele poderia ter tido alguma influência na decisão dos conselheiros”, aponta o banco.

2. A Petrobras poderia aumentar os investimentos (negativo para dividendos). Segundo matéria do jornal Valor, para aliviar as tensões na Petrobras, Prates concordou em acelerar os investimentos em construção naval e transição energética. Os valores mencionados, porém, eram extraordinariamente elevados (o que tira credibilidade). De qualquer forma, manteve o mercado se questionando se poderia ter outra revisão no próximo plano estratégico para alta de investimentos.

3. O Ministro Alexandre Silveira propôs uma cadeira no conselho do Ministério da Fazenda (fator potencialmente positivo para dividendos). Silveira sugeriu que o Ministério da Fazenda (comandado por Fernando Haddad) apresentasse um nome para substituir Sergio Rezende na diretoria (indicado pelo Ministério de Minas e Energia). Isso poderia dar à Fazenda mais influência no conselho de administração para tentar obter mais fundos provenientes de dividendos e deixar o CEO mais confortável para votar em linha com as propostas da administração. “Vale ressaltar que, caso o CEO se abstenha de votar e haja empate de 5 a 5, o presidente do conselho (Pietro Mendes, que votou pela retenção de 100% do caixa) tem a palavra final sobre o assunto”, aponta o BBI.

4. Haddad apontou que o Ministério da Fazenda não pressionou por uma decisão sobre dividendos. Segundo o ministro, o resultado fiscal primário do Brasil não depende do dividendo extraordinário da Petrobras, especialmente porque outras empresas estatais tiveram resultados melhores do que o esperado. O ministro disse que o resultado fiscal será alcançado sem os recursos extraordinários e que ficou positivamente impressionado com o plano de investimentos da estatal.

(com Reuters)

Fonte: clique aqui.

Você bem informado!

COMMENTS